Redes Sociais:
HomeNotíciaLusofoniaChineses introduzem em São Tomé cultivo de milho modificado para ração animal

Chineses introduzem em São Tomé cultivo de milho modificado para ração animal

Uma equipa de técnicos agrícolas chineses está a introduzir em São Tomé e Príncipe o cultivo de milho transgénico para ração animal, procurando diminuir a dependência alimentar do país em relação ao exterior.

Chineses introduzem em São Tomé cultivo de milho modificado para ração animal

Uma equipa de técnicos agrícolas chineses está a introduzir em São Tomé e Príncipe o cultivo de milho transgénico para ração animal, procurando diminuir a dependência alimentar do país em relação ao exterior.

São Tomé – Uma equipa de técnicos agrícolas chineses está a introduzir em São Tomé e Príncipe o cultivo de milho transgénico para ração animal, procurando diminuir a dependência alimentar do país em relação ao exterior.

Em declarações aos jornalistas, Hou Xiaoping, chefe da missão agrícola chinesa em São Tomé e Príncipe, explicou que, nesta primeira fase, a cultura está a ser feita no campo hortícola de Mesquita no centro da ilha de São Tomé, situada a pouco mais de cinco quilómetros da capital, informa a agência Lusa.

As sementes do milho híbrido para a produção de ração já germinaram. Os chineses estão a ensinar técnicos são-tomenses e alunos finalistas do curso de agronomia como se deve combater as pragas.

“Deve-se reforçar os trabalhos de controlo e prevenção. Devemos aplicar pesticida periodicamente”, disse Hou Xiaoping.

Em junho os chineses esperam colher oito toneladas do milho híbrido numa área de seis hectares.

O chefe da missão agrícola chinesa sublinha que a produção de ração é fundamental na suinicultura.

“São Tomé e Príncipe tem boas condições para desenvolver a agricultura e pecuária e ração para animais”, explicou.

A introdução da cultura de milho modificado inclui-se nos projetos-pilotos que os chineses estão a implementar em São Tomé e Príncipe depois de os dois países terem restabelecido relações diplomáticas em finais de dezembro, após um longo período de 19 anos sem laços diplomáticos.

Nos próximos dias, deverá juntar-se a essa equipa um médico veterinário e um produtor de biogás para reforçar a equipa que, durante um ano, vai trabalhar com técnicos são-tomenses no setor agropecuário.

Na comunidade de Água Izé, os chineses estão a experimentar o cruzamento de cerca de uma dezena de porcos nacionais com a raça “melori” da Inglaterra.

O objetivo é aumentar a produção de carne no mercado para garantir a segurança alimentar e nutricional da população.

“Os porcos de São Tomé pesam no máximo entre 40 e 50 quilos e isso faz com que haja uma baixa de produção de carne e um elevado preço da carne de porco a nível nacional”, explicou o técnico chinês.

“Queremos utilizar as vantagens do cruzamento entre os porcos de são Tomé e Príncipe e da Inglaterra”, acrescentou.

Esses são os primeiros passos da cooperação sino-são-tomense no domínio da agricultura e pecuária.

Tags

Compartilhar

Escrito por: webmaster

Nenhum comentário

Deixe um comentário