Redes Sociais:
HomeNotíciaCulturaCongresso sobre Saramago faz apelo à defesa da democracia brasileira

Congresso sobre Saramago faz apelo à defesa da democracia brasileira

Apelos para salvar a democracia no Brasil marcaram, em Coimbra, o encerramento do congresso internacional sobre José Saramago, em que a viúva do escritor assinou um documento contra o perigo de ascensão de Jair Bolsonaro, do PSL, à Presidência da República.


Portugal Digital com Lusa


Foto: Fundação José Saramago

“Há que salvar a democracia no Brasil. Não se pode chegar a uma ditadura fascista votando”, na segunda volta das eleições presidenciais brasileiras, no dia 28, entre Jair Bolsonaro (Partido Social Liberal, extrema-direita) e Fernando Haddad (Partido dos Trabalhadores, esquerda), disse Pilar del Río, no final dos trabalhos.

A presidente da Fundação José Saramago assinou um texto que circulou entre os congressistas, muitos deles oriundos do Brasil, intitulado “Em defesa da democracia”, após ter proferido um discurso de encerramento em que questionou a atual situação política na pátria do escritor Jorge Amado e do cantor Chico Buarque, com uma referência política que mereceu o aplauso dos presentes.

“Temos uma experiência terrível com Hitler”, que nos anos 30 do século XX chegou ao poder na Alemanha através de eleições, alertou depois, em declarações à Lusa.

Para Pilar del Río, “não se trata de votar em A ou B”, mas antes de prevenir as consequências futuras de um eventual sufrágio popular, nas urnas, de políticas de intolerância que negam a democracia e discriminam as minorias.

“Antes de nos arrependermos no futuro, sejamos ativos agora, não o permitamos”, preconizou a viúva do autor de “Levantado do Chão”, que há 20 anos foi distinguido pela Academia Sueca com o Prémio Nobel da Literatura.

No documento sobre as eleições no Brasil, os congressistas manifestam-se “profundamente preocupados com o que está acontecendo no Brasil” em torno do processo eleitoral.

“Estão em jogo valores e conquistas de uma civilização ocidental que o Brasil abraçou ao longo de séculos. Democracia, tolerância, direitos humanos, cultura da paz, sempre!”, proclamam.

José Saramago, recordou Pilar del Río, “tinha raiva de que neste momento há meios para evitar a desgraça, as agruras, a pobreza e não estamos a usar os mecanismos que temos para o bem comum” – um pouco por todo o mundo – “e isso indignava-o profundamente”.

“Trata-se de levantar a cabeça, dizer que somos humanos, que não somos seres descartáveis, e eleger o nosso futuro democraticamente”, defendeu.

Na segunda volta das eleições no Brasil, no dia 28, “há que votar bem, há que votar contra isso”, tendo em conta que na sociedade “há pobres, mulheres, diferentes e emigrantes” que precisam de solidariedade e da proteção dos poderes públicos.

Pilar del Río destacou, por outro lado, a presença das personagens femininas na obra literária de Saramago.

As mulheres “são as personagens fundamentais e fortes da obra saramaguiana”, as quais “não se acomodam às circunstâncias”, acrescentou.

Elas “têm valores e com esses valores vão para a vida, independentemente do que está na moda”, afirmou.

A primeira volta das eleições no Brasil foi vencida por Jair Bolsonaro, com 46% dos votos, enquanto o seu opositor Fernando Haddad ficou em segundo lugar, com 29,3%.

Organizado pela Universidade de Coimbra, em colaboração com a Fundação José Saramago e outras entidades, o congresso “José Saramago: 20 anos com o Prémio Nobel” decorreu em Coimbra, tendo a abertura dos trabalhos contado com a presença do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, e do ministro da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes.

Último Comentário

  • Nitidamente, Pilar del Rio, desconhece o que tem havido no Brasil nos últimos 15 anos. O crescente movimento anti-Brasil está minando toda forma de progresso de nosso país. O que a viúva de Saramago esta a defender, é uma ideologia politica de seu finado marido. Talvez na intenção de eternizar sua opção. O Forum de São Paulo está aí para quem se interessar e procurar saber a que se destina essa reunião de dirigentes sul americanos interessados em transformar o continente numa Venezuela, Bolívia e outros que já deram o passo derradeiro no abismo e hoje estão no buraco. Qual a vantagem de tanta aproximação com Cuba/Fidel Castro? O que há lá para nos ajudar e aprendermos? Qual o real motivo de ‘importar’ médicos para cá? Seria uma forma de enviar nosso dinheiro para financiar ações contra nosso povo? Está aí uma explicação de porque o governo não investe em educação: povo mal informado, que só se preocupa com futebol (eu gosto de futebol, como recreação), carnaval (diversão), cerveja, churrasco de rua, etc…:não dá valor ao que interessa. “Se eu tenho o quero hoje, o amanhã seja o Deus quiser!” Pensamento mesquinho. A população não contribui com todo tipo de imposto, mas quer, exige, todo tipo de benefício. Não fiscaliza a gastança publica. E vai por aí. Desgraça seria uma democracia mentirosa que vem derrotando o povo assumir o poder e não uma nova oportunidade de mudança. Fernando Guedes.

Deixe um comentário