Redes Sociais:
HomeNotíciaSociedadePandemia já causou a morte de mais de 4,6 milhões de pessoas em todo o mundo

Pandemia já causou a morte de mais de 4,6 milhões de pessoas em todo o mundo

Partilhar

A pandemia do novo coronavírus já fez pelo menos 4.636.530 mortos no mundo desde que o SARS-CoV-2 foi identificado, em dezembro de 2019, na China, segundo o balanço diário da agência France-Presse.


Portugal Digital com Lusa



Mais de 225.185.240 casos de infeção foram diagnosticados no mundo no mesmo período, segundo o balanço feito até às 10:00 TMG de hoje (14), a partir de números oficiais.

Segundo a agência, a grande maioria dos doentes recupera, mas uma parte ainda mal avaliada continua com sintomas durante semanas ou até meses.

Nas últimas 24 horas foram registados 7.341 mortos e 586.560 casos em todo o mundo. Os países com maior número de mortos foram os Estados Unidos, com 1.554 óbitos, a Rússia (781) e a Malásia (413).

Os Estados Unidos são o país mais afetado em termos de mortes e casos, com 662.131 mortes em 41.221.315 casos, de acordo com a contagem realizada pela Universidade Johns Hopkins.

Depois dos Estados Unidos, os países mais afetados são o Brasil, com 587.066 mortos e 21.006424 infetados, a Índia, com 443.213 mortes (33.289.579 casos), o México, com 267.969 óbitos (3.516.043 casos), e o Peru, com 198.799 óbitos (2.161.358 infetados).

Entre os países mais atingidos, o Peru é o que apresenta o maior número de mortes em relação à sua população, com 603 mortes por cada 100.000 habitantes, seguido da Hungria (312), da Bósnia (307), da Macedónia do Norte (301), do Montenegro (288) e da República Checa (284).

A América Latina e Caraíbas totalizavam hoje 1.462.777 mortes em 43.990.846 casos, a Europa 1.275.994 mortes (65.177.116 casos), a Ásia 811.814 mortes (52.151.744 casos), os Estados Unidos e Canadá 689.338 mortos (42.764.993 infetados), África 203.365 mortes (8.069.401 infetados), o Médio Oriente 191.383 mortos (12.884.665 casos) e a Oceânia 1.859 mortes (146.477 casos).

Os números da AFP baseiam-se em balanços diários das autoridades de saúde de cada país e em informações da Organização Mundial da Saúde (OMS) e excluem as revisões posteriores de determinados organismos estatísticos, que indicam um número muito superior de óbitos.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) calcula, tendo em conta o excesso de mortalidade ligada direta e indiretamente à covid-19, que o balanço da pandemia poderá ser duas a três vezes superior ao registado oficialmente.

Além disso, uma proporção significativa dos casos menos graves ou assintomáticos não são detetados, apesar da intensificação dos rastreamentos em muitos países.


Partilhar
Escrito por: Portugal Digital