Redes Sociais:
HomeOpiniãoUm Inhotim para as vítimas da Vale

Um Inhotim para as vítimas da Vale

 

O que vou propor aqui agora vai parecer heresia para alguns e delírio para outros, mas estou acompanhando as imagens das operações de recuperação de corpos em Brumadinho e não gostando nada de ver retroescavadeiras revirando a lama.


Elas despedaçam os corpos e os helicópteros levantam sacolas com restos parciais das vítimas para o IML tentar montar um quebra-cabeças humano. Um trabalho macabro e insano como a recuperação de pedaços das vítimas das torres gêmeas, espalhados por um quilômetro quadrado de Nova York.

Isso pode levar meses de angústia para as famílias e mesmo assim jamais todos serão encontrados, porque 12 milhões de toneladas de terra não são coisa fácil de retirar. Dói admitir, principalmente para as famílias, mas as vítimas já estão sepultadas. É preciso deixá-las descansar em paz.

Em vez de escavar e perturbar a paz dos mortos, deveriam preparar o terreno como um parque, plantar grama e muitas flores e transformá-lo num cemitério-jardim com um belo memorial de granito contendo os nomes em metal de todas as vítimas do massacre perpetrado pela Vale, mesmo aquelas cujos corpos foram resgatados.

Pensem num lugar que fosse tão bonito quanto o Inhotim, talvez até mesmo integrado a este, onde as viúvas, os órfãos, os irmãos e os primos pudessem se sentar à sombra das árvores entre os canteiros e lembrar de seus entes queridos que perderam devido à estúpida ganância da mineradora. Da mesma forma exigir que a Vale, ao descomissionar as outras barragens, gaste uma migalha de seus lucros para transforma-las em locais de lazer, de descanso e meditação.

Márcio Metzker é jornalista e vive em Belo Horizonte.

Compartilhar

Escrito por: Portugal Digital

Comentários recentes

  • Concordo + creio que devamos fazer algo, e se formos ajudar a buscar os corpos? As Faculdades de Medicinas, DPC / DHE – PF podem liderar um mutirão com voluntários(a) apoiados por profissionais de Filosofia e antropologia – pesquisadores(a) experientes? Ofereço-me à ir ajudar o Corpo de Bombeiros(a) local.

  • Marcio, recebi a sua proposta enviada por uma amiga querida e gostariamos de ajudar a viabilizar a sua divulgação de forma que ela chegue a quem pode concretizá-la.

  • Concirdo plensmente em sua proposta, vamos colher assinaturas para pressionar os resposáveis a realizar esse projeto. Sou Baiano e estou repassando essa brilante idéia a tofos meu contatos.

  • Super concordo e aprovo sua idéia genial! Diga o que podemos fazer para ajudá-lo !

  • Prezado Márcio, recebi de uma amiga o seu texto com a proposta de um jardim memorial às vitimas de Brumadinho. Ao ler sua coluna, ela, obviamente ficou emocionada e entusiasmada com a ideia e propôs a iniciar um movimento para que seu projeto se tornasse realidade. Eu concordo plenamente com você que é angustiante e emocionalmente terrível ver as escavadeiras, apesar de todo cuidado que possam ter, não é um instrumento com a delicadeza necessária para resgatar os corpos das vítimas ainda enterradas na lama. Os seus leitores Atalito e Maysa, que se comunicaram nos comentários acima reptesentam, acredito, 100% da sociedade mineira em querer ver solucionada essa situação tão dolorosa.
    Penso que seu projeto pode, sim, ser viável, mas será uma grande luta contra uma grande empresa. Mas antes que se possa convocar a sociedade é necessária (e aí um plano tem que ser pensado, avaliado e ter pessoas preparadas para tanto) uma abordagem cuidadosa aos parentes das vítimas ainda soterradas. É preciso que todas essas famílias concordem com este memorial e que ele seja aceito como um funeral oficial (sentimentalmente falando) de seus entes amados. Quanto ao aspecto legal, é preciso uma consultoria sobre o que é necessário fazer para que este “funeral coletivo” seja considerado legal e oficial, pois há que se expedir atestados de óbito ou outro instrumento equivalente de cada vítima desaparecida. Alongo-me demasiado, bem o sei, mas o caso é delicadíssimo e por demais complexo. Para encerrar, e sendo este seu sonho que entusiasmou tanta gente que quer e está disposta e se lançar na realização deste, pergunto-lhe se você estaria disposto a liderar este movimento. Acredito que adesões não faltarão? Seja de que área for necessária: psicólogos, terapeutas, engenheiros, arquitetos, advogados e toda e qualquer área haverá de ter pessoas dispostas a entrar nesta luta. Desde já me coloco disponível para o movimento. Não tenho formação que possa ajudar (meu curso foi de filosofia), mas tenho vontade e garanto que poderei levar comigo um grande grupo de voluntários para fazer o que for necessário. Pense com carinho e nos dê sua resposta ou apresente uma proposta. Estamos aqui por todas essas pessoas e por suas famílias. Com um abraço esperançoso de uma acolhida a esta, despeço-me mui respeitosa e cordialmente.

    • Também pensei no envolvimento dos familiares nesse projeto, pois o que perderam os seus podem ter outros sentimentos e necessidades. Pois até hoje tem mães no deserto do Atacama procurando incansavelmente por seus filhos… mas seria bonito eles participarem … ajudar a pensar num memorial comum.

  • Uma ideia ousada e sensata. Mas, que dependeria da total aceitação e engajamento dos familiares e amigos das vítimas, principalmente. E se houvesse consenso entre todos esses familiares sobre a construção desse local solene, como MEMORIAL a todas as VÍTIMAS localizadas ou não, o custo total desse projeto deveria ser imputado totalmente à VALE, após deferimento pela prefeitura de Brumadinho MG. Isso faria parte das medidas de retratação, reconstrução social pelo desastre provocado pela omissão da VALE. Que DEUS conforte os corações de todos os familiares das vítimas. Lamentável e muito triste tudo isso. 😭😭

Deixe um comentário